Thursday, July 14, 2011

Delírios de um pai sedado.

Eu sumi um pouco do blog, de novo, porque duas semanas atrás meu pai foi parar no hospital. Ele teve crises renais quando uma pedrinha de cinco milímetros no rim dele resolveu dar sinal de vida. Depois de uma semana de procedimentos, remoções de pedras que não deram certo e muita dor, na quinta-feira meu pai foi até a clínica pra explodir o último fragmento de pedra.

Não sei qual tipo de sedativo deram pra ele. Só sei que após o tal procedimento presenciei uma hora de delírios e diálogos nonsense, que eu, como boa filha que sou, anotei pra contar pra todo mundo e fazer piadas no futuro.

- Quem é aquele?
- É o soro que você tá tomando, pai.
- Mas não tá na minha boca.
- Não, tá na sua veia.
- Ele tem um chapeuzinho.

♦♦♦♦♦

- Eu tô vivo?
- Tá, mas tá delirando.
- Me deram maconha?
- Olha, tá parecendo.
- Mas não tá cheirando cocaína aqui.
- É porque eles não te deram cocaína.

♦♦♦♦♦

- Aqui é a Sapopemba?
- Não, aqui é a Ultralitho, na Rio Branco, em Florianópolis.
- Não é em São Paulo?
- Não, pai.
- E você foi jogar bilhar?
- Não, hoje não.

♦♦♦♦♦

- Ali naquela porta vai pro aeroporto?
- Não, ali vai pra sala de cirurgia.

♦♦♦♦♦

- O chico já limpou a placenta?
- O que, pai?
- A placenta do bebê que nasceu.

♦♦♦♦♦

- O Rodrigo foi embora?
- Quem, pai?
- O Rodrigo.
- Não sei quem é Rodrigo, pai.
- Nem eu.
- ...
- Ele não veio?
- Quem, o Rodrigo?
- É.
- Não, pai, não veio.

♦♦♦♦♦

- Os paparazzi já saíram?

♦♦♦♦♦

- Meu armário é o número nove, onde eu guardei meu charuto e o meu picolé.

♦♦♦♦♦

 - Eu tô de paletó?

♦♦♦♦♦

- Olha, tem formigas.

♦♦♦♦♦

- Cadê meu picolé?

♦♦♦♦♦

- O médico tava assobiando.
- É?
- Jazz.
- E tava bom?
- Não era jazz.
- O que era?
- “A noite do meu amor”.



Se algum dia me sedarem, não quero ninguém por perto.

3 comments:

Ly0niki said...

hahahahahahahahahaha...

keli cristina said...

muitoooooooooooo bommmmmmmmmmmmmm!!!!!

Giselle de Almeida said...

Se algum dia me sedarem, quero a mesma coisa que deram para o seu pai :)