Tuesday, April 12, 2011

Dia 9: Livro mais velho que eu tenho.

Quando eu era adolescente, lá pelos meus 13 anos, meu pai encontrou um livro que tinha sido do meu avô. É O Flagelo de Deus, do Maurice Leblanc. "Uma estupenda aventura de Arsène Lupin", o famoso personagem francês. 

Não é o livro mais velho que eu li, mas é o mais antigo que tenho. Essa edição é de 1958 (se é que eu interpretei corretamente os números romanos). Na internet, a obra consta como sendo de 1953, o que é um pouco estranho já que Maurice Leblanc morreu em 1941. Imagino então que essa data seja da publicação no Brasil. Curiosamente, não consegui encontrar a informação de quando o livro original foi escrito.

De qualquer forma, devo confessar que não lembro detalhes da história. Um dos motivos é que a minha memória é péssima. Outro, que naquela fase da vida eu não fazia nada além de ler, então as histórias foram todas se misturando na minha cabeça. E o terceiro motivo é que O Flagelo de Deus é a segunda parte de um outro livro, A Ilha dos Trinta Ataúdes, que eu nunca li. Tenho apenas algumas lembranças da história, e todas elas são referentes a maldições, mortes, demônios, feiticeiros e desgraças. Provavelmente por isso a obra me interessou, na verdade.

Meu avô paterno faleceu muitos anos antes de eu nascer. A única coisa que tenho dele é esse livro de páginas amareladas. E, para a minha sorte, uma anotação feita por ele no topo da primeira página:



Acho que eu teria gostado muito do meu avô.

1 comment:

Marco Y said...

Nossa, estes "pertences intelectuais" que passam de geração para geração são simplesmente fantásticos.

Me emocionei com o manuscrito de seu avõ, mesmo sem ter nenhuma ligação familiar ou afetiva com ele.

Sinto falta destas evidências de vidas que as pessoas deixavam no passado e hoje em dia se perde no mundo virtual.

Você tem uma cápsula do tempo em suas mãos, guarde com carinho.

abraços

Marco Y