Friday, October 01, 2010

Dia 6: Livro que menos prendeu minha atenção.

Não me sinto qualificada pra postar sobre isso por um motivo: não sou uma pessoa muito disciplinada. Ou seja, se um livro não prende minha atenção, eu abandono. Não gosto de ler por obrigação, ou por achar que tenho que ler tal autor ou serei uma pessoa indigna. Gosto muito de ler, mas o que eu tenho vontade e quando tenho vontade.

Por exemplo, é claro todo mundo que gosta de ler deveria conhecer Edgar Allan Poe. Eu tive que pesquisar um pouco sobre o autor pra escrever um trabalho sobre o Kafka há algum tempo, para entender as influências e tal, e achei interessante. Aí comprei Assassinatos na Rua Morgue e outras histórias, do Poe.

Parei na primeira das 'outras histórias'. Nem cheguei aos assassinatos.

Eu gosto de leitura que flui. Isso não significa leitura simples ou "povão", mas gosto de frases diretas, e que o autor mostre logo a que veio. É questão de gosto mesmo. Não me dou bem com poesia ou textos prolixos com frases de oito linhas. E a primeira das histórias do livro do Poe, O Demônio da Perversidade, é extremamente prolixa, com parágrafos de uma página. Por isso foi o livro que eu abandonei mais rapidamente. Talvez daqui um tempo eu me interesse novamente, já que continuo querendo conhecer direito o Poe. Quem sabe eu comece por outra história.

Sugestões?

Monday, September 06, 2010

Dia 5: Livro que mais prendeu minha atenção.

Ironicamente, eu parei de postar justamente na hora de falar sobre o livro que mais prendeu minha atenção. Mas tudo bem, vamos tentar outra vez.

Este post deveria ser sobre Os Homens que Não Amavam as Mulheres, mas vou comentá-lo mais à frente. A segunda opção seria A Menina que Roubava Livros, mas esse já foi comentado.

Como terceira opção digna de um post, vem A Revolução dos Bichos, de George Orwell. Li de uma vez só. Isso não é um grande feito, já que o livro tem só 112 páginas, excluindo posfácio e apêndices, mas se tivesse o triplo de páginas eu teria lido de uma vez só também.

Já até comentei essa obra aqui no blog, uns tantos posts atrás, em agosto de 2008. Na época eu reclamei do livro, porque me deprimiu por alguns aspectos. Primeiro: é genial demais. Me senti idiota e não ousei mais criar metáforas. Nada seria tão inteligente quanto essa fábula do George Orwell. Segundo: é curto demais. Aí você lê, não consegue parar, mas não quer que termine.

E aquelas frases tão bem construídas, e de forma tão simples... Chega a me dar um desespero. "Todos os bichos são iguais, mas alguns bichos são mais iguais que outros." Olha, gente. É coisa de gênio. Ditadura stanilista à parte, o autor faz uma crítica brilhante à fraqueza humana diante do poder. Definitivamente, é um dos melhores livros que já li.

Sunday, September 05, 2010

Dia 4 (ontem): Livro mais caro que eu comprei.

Acho um absurdo preço de livro no Brasil, sério mesmo. Como revolta, só compro livro em sebo ou em promoção. Certo, é mais por falta de dinheiro do que por revolta, mas se eu tivesse dinheiro, seria por revolta mesmo.

Mas aí um tal de John Curran, curador literário da minha tão amada Agatha Christie, teve acesso a setenta e três cadernos dela, e lançou um livro chamado Os diários secretos de Agatha Christie. Custou R$39,90 mais frete. Dois contos inéditos com o detetive Poirot, anotações sobre as tramas das histórias, listas de compras, de presentes, poemas, e todo o tipo de anotações pessoais. 478 páginas sobre a Agatha Christie.

Eu li quase tudo que a Agatha escreveu. Faltam alguns poucos contos e peças de teatro, entre eles um livro que não foi lançado no Brasil, e uma amiga (oi, Rebeca) comprou pra mim na Itália. Pena que eu não sei nada de italiano, mas vou ler mesmo assim.

Quase tive um surto quando outra amiga (oi, Alessandra) me contou que Os Diários Secretos tinha sido lançado no Brasil, e tive que comprar imediatamente. Nada de esperar promoções. E, ainda assim, o livro mais caro que eu comprei (estou excluindo os livros caros que ganhei de presente), nem foi tão caro assim.


Ps. Sou tão ruim em memes que nem postar no dia certo eu consigo.

Friday, September 03, 2010

Dia 3: Livro mais barato que eu comprei.

Como vivo comprando livros em sebos, não tenho certeza de qual foi o mais barato que já comprei. Eu acho que foi O Chefão, de Mario Puzo. Paguei três reais no Armazém do Livro, ou "Sebo da Deodoro" aqui em Florianópolis, quando ele ainda ficava na rua Deodoro. Mas é uma ediçãozinha de bolso, velha e barata, então acho que o preço não foi uma surpresa.


1984, de George Orwell, consegui comprar no mesmo sebo por 13 reais, praticamente novo. Pertenceu a um aluno de Direito de primeira fase, que deixou seu nome anotado no começo do livro. A mesma edição era vendida nas livrarias por mais de 50 reais na época. Proporcionalmente, então, acho que esse foi o melhor achado em sebos.

E claro, já comprei livros em promoções de R$ 9,90 nas Livrarias Catarinense, mas não foi nada muito expressivo.

Thursday, September 02, 2010

Dia 2: Livro que eu mais odiei.

Olha, podem me xingar, mas vou ser bem sincera.
O livro que eu mais odiei foi O Alienista, do Machado de Assis.

Explico.

Eu tinha 10 ou 11 anos quando li O Mistério da Casa Verde, de Moacyr Scliar, que faz uma releitura jovem de O Alienista. Na história, um grupinho de amigos precisa recorrer ao livro do Machado pra resolver um mistério na Casa Verde, a mesma que, em O Alienista, tinha sido o hospício. Adorei a história, tanto que fui empolgada ler Machado de Assis também.

Péssima decisão.

Dei de cara com frases do tipo: "A vereança de Itaguaí, entre outros pecados de que é argüida pelos cronistas, tinha o de não fazer caso dos dementes. Assim é que cada louco furioso era trancado em uma alcova, na própria casa, e não curado, mas descurado, até que a morte o vinha desfraldar do benefício da vida; os mansos andavam à solta pela rua."
Não agüentei, pulei várias páginas, e fiquei com um trauma tão grande de Machado de Assis que até hoje não foi totalmente curado. A mesma coisa aconteceu quando tentei ler Crime e Castigo aos 12 anos. Passo longe do Dostoiévski até hoje.

Um para crianças, outro para adultos.

Wednesday, September 01, 2010

Dia 1: Livro que eu mais gostei.

A Menina que Roubava Livros.
Assim, sem hesitar.

Quem narra a história é A Morte.
Isso já seria o suficiente para deixar esse livro do Markus Zusak no meu top 10, e uma historinha bem feitinha já colocaria no top 5, porque a idéia do narrador é genial demais.

Mas não é só uma historinha bem feitinha.
É um enredo envolvente, personagens cativantes, daqueles que te fazem ler 100 páginas sem perceber que o tempo passa. Daqueles que ficam na sua memória e, dois anos depois de ler o livro, você ainda se pega pensando: "o que será que a Liesel está fazendo agora?"

A obra dispensa muitos resumos e comentários. A única coisa escrita na parte de trás do livro é: "Quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler."

Deve mesmo.


Ps. Gente, dá uma luz aí: como se escreve contra-capa? Contracapa? Contra capa? Tive que chamar de "parte de trás do livro" porque deu branco.

Dez livros em dez dias

Ok, eu não sou muito de participar de meme, e me sinto meio idiota ao escrever a palavra "meme". Mas meu blog anda tão carente de atenção, e eu ando tão sem idéias próprias, que esse "meme" que a Fabiane Bastos passou parece uma coisa legal pra ter alguma movimentação por aqui.

O desafio é fazer dez posts comentando dez livros:
  • 1° dia – Livro que você mais gostou;
  • 2° dia – Livro que você mais odiou;
  • 3° dia – Livro mais barato que você comprou;
  • 4° dia – Livro mais caro que você comprou;
  • 5° dia – Livro que mais te fez ter a atenção nele;
  • 6° dia – Livro que menos te fez ter a atenção nele;
  • 7° dia – Primeiro livro que você leu;
  • 8° dia – Série de livros que você mais gosta;
  • 9° dia – Livro mais velho que você tem ou leu;
  • 10° dia - Menções honrosas.
E tem também aquele esquema de passar o desafio adiante, indicando blogs, mas não sou muito boa nisso. Então, se alguém mais aí achar a idéia legal, sinta-se indicado.

É, eu não sei participar dessas coisas.
Mas vale a intenção. Vamos lá.

Wednesday, August 18, 2010

Florianópolis.

:)

Thursday, June 17, 2010

21 anos.

Pronto, agora o Código de Trânsito Brasileiro acha que eu já tenho idade e responsabilidade para dirigir veículos de transporte coletivo de passageiros, de escolares, de emergência e de produtos perigosos.

Tuesday, April 13, 2010

Segurança em primeiro lugar

- Mãe, eu meio que quebrei o termômetro.
- Você quebrou o termômetro? O nosso termômetro? Por que você quebrou o termômetro?
- Aham, eu tô bem, não fui contaminada pelo mercúrio, estou fora de risco, não vou morrer. Tenho certeza que essa foi sua primeira preocupação.
- É, claro.

Dois mundos

Ela entra, eu a olho e analiso: casaco rosa, com uma gola enorme cheia de plumas rosa, sapato com um salto de altura desnecessária, do tipo que eu jamais conseguiria usar, maquiagem e cabelo (loiro claro, pintado) impecáveis às oito da manhã, como se ela tivesse acabado de sair de um salão de beleza. Olha minhas roupas com desdém, como se eu fosse a vergonha do mundo feminino. Não sabe responder se está na auto-escola para fazer exame médico ou começar as aulas teóricas. Típico.

Ela entra, me olha e analisa: all star, blusa largada, lógico que vestiu a primeira coisa que encontrou ao acordar. Não usa maquiagem para esconder essas olheiras matinais, nem se preocupa em arrumar o cabelo. Deve pensar que eu sou uma patricinha burra. Ai, droga, não saber se estou aqui pro exame médico ou pra aula não deve ter ajudado a melhorar minha imagem. Ela fica sentada desse jeito, ouvindo música no fone e batendo o pé, toda roqueirinha ou se achando alternativa. Típico.

E cada uma senta no seu canto.


Ps.: já fui chamada de "roqueirinha", juro, por uma fulana que queria me bater, juro de novo, mas isso é outra história pra algum post futuro.

Thursday, April 08, 2010

Todo mundo usa

Mentira, é Ipanema.

Wednesday, April 07, 2010

Johnnys

- Tive um surto e quero ter tudo do Johnny Cash.
- Ai, eu não gosto do Johnny Cash.
- Mãe, lógico que gosta. A gente tem aqueles cds.
- ...
- Mãe. Johnny Cash, não Johnny Bravo.
- Aaaaaah bom.

Friday, March 12, 2010

Ch-ch-ch-ch-changeeees

Ai, cansei do blog todo verde daquele jeito. Tomara que eu não acabe dizendo isso sobre as paredes do meu quarto. São mais verdes que o layout anterior.

Mas enfim. O layout é provisório, porque cansei de tudo e quis mudar logo sem ter muito trabalho. Agora aceito (leia-se "peço encarecidamente", ou ainda "imploro por") sugestões de nome para este blog.


Ps.: http://www.youtube.com/watch?v=E6xxgNTaiQs

Thursday, January 07, 2010

Coisa de mãe

Sete da manhã, durmo profundamente, sonho com coisas lindas, até que minha mãe entra no meu quarto:

- Filha, onde você colocou a chave do carro?

Chave? Que carro? Eu coloquei? Nem carteira de motorista eu tenho ainda.

Silêncio.

- Eu te dei a chave ontem junto com a sacolinha!

Que sacolinha? O que é uma sacolinha? Quando foi ontem?

- Ah, deixa pra lá.

E saiu do quarto.
Sério, eu não precisava disso.

_


- Filha, tá chovendo, vamos voltar pra casa. Com chuva a gente não aproveita a Havan.
- Mãe, é uma loja de departamentos, não um parque temático.

_


Minha mãe parou na faixa de pedestres pra uma moça esses dias. O carro do lado não parou, e quase atropelou a coitada. Comentei que a moça podia ter morrido ali com o impacto, considerando a velocidade que o carro passou. Minha mãe concordou: "podia mesmo, e estando na faixa de pedestres ia morrer coberta de razão". E, após uma pausa, completou: "coberta de sangue, também."