Wednesday, September 23, 2009

Transtorno Obsessivo-Compulsivo e muitas focas mortas

Hoje li uma placa que dizia "experimentos para produção infantil".
Já estava imaginando respostas alternativas legais para a pergunta 'de onde vêm os bebês?' quando percebi que na verdade o que estava escrito era "equipamentos para proteção individual". Muito sem graça.
Apesar do meu histórico de ler tudo errado, acho que dessa vez foi culpa do cansaço mental.
_

Tenho medo que as pessoas pensem que minha felicidade quando descubro alguém com TOC é sadismo. Juro que é só desespero, do tipo é-quase-outubro-e-eu-só-escrevi-1/8-do-meu-TCC.
Fiquei tão emocionada hoje quando meu orientador perguntou na aula dele se alguém conhecia pessoas com Transtorno Obsessivo-Compulsivo, e uns dez alunos disseram que sim.
_

Estabeleci metas de TCC e prêmios ao alcançá-las. Poucas coisas me deixam mais agoniada do que ter um milhão de episódios de séries diferentes pra ver, e não poder. Por isso, quando eu tiver escrito 20 mil caracteres da minha reportagem, vou me dar de presente um dia só de séries. Enquanto isso, nenhum episodiozinho pra mim (a regra não se aplica a House, que isso fique bem claro).
_

Sim, agora eu só sei falar sobre TCC.
Ah é, e sobre violino. Esses dias eu estava tentando tocar uma música, e tenho consciência de que às vezes o som parece o de uma porta rangendo e esmagando uma foca até que ela morra. Todos os dias eu mato várias focas, por sinal. A melhor tentativa da minha mãe de me consolar foi esperar eu largar o violino e dizer: "ai, filha, eu adoro você tocando flauta".

Thursday, September 10, 2009

Gordura alternativa

Sou uma pessoa muito magra (44kg, geralmente, com picos de 46). Não sou anoréxica, juro, só tenho estômago pequeno e metabolismo rápido em processar as toneladas de chocolate que eu como por dia. Mas hoje eu descobri onde fica toda a gordura do meu corpo: nas pontas dos meus dedos.

Eu sempre quis tocar violino, mas como tantas outras coisas que sempre quis fazer, nunca fui atrás. Nunca, até semana passada, que foi quando eu tive um surto e fui procurar professores, vi valores de mensalidade em lugares diferentes, descobri qual violino comprar, fiz pesquisa de preço e tudo mais. Cheguei em casa e convoquei meus pais para uma reunião familiar. Só dias depois fiquei sabendo que naquele momento minha mãe pensou que eu ia contar que estava grávida. Não estava grávida, só queria pedir patrocínio para as minhas aulas (porque, como eu já disse, sou uma estagiária desempregada e minha situação financeira é... inexistente).

Meus pais concordaram, e hoje eu tive minha primeira aula. Já estou me obrigando a apreciar a beleza de Brilha, Brilha Estrelinha, coisa que eu não tinha que fazer desde que comecei a estudar flauta, 15 anos atrás.

Pois bem, voltando ao começo do post. Meus dedos são magros e finos (como todo o resto de mim), mas a ponta deles é gorda e fofinha, o que dificulta muito o processo de posicionar o dedo em apenas uma das cordas do violino, o que leva a outra corda, na qual eu não deveria encostar, a fazer um som horrível de algum animal morrendo. Alguém conhece uma dieta para a ponta dos dedos? Aceito dicas, e meu professor agradece.

Thursday, September 03, 2009

Tinha que ser ela

Às vezes minha mãe ataca com piadinhas que insiste em dizer que são complexas e inteligentes demais para a compreensão imediata.

Há algum tempo meus pais e eu (na verdade os pedreiros) estávamos construindo uma casa. Entre falta de dinheiro e meses seguidos de chuva, a construção empacava um pouco. Um dia, saindo daqui, quando 'aqui' ainda não era uma casa habitável, minha mãe comentou, pensativa: "é, somos nós e o Beethoven". Silêncio no carro. Olhei desconfiada para o meu pai, tentando identificar se ele tinha entendido o comentário, e me senti menos insegura quando percebi seu ar de interrogação. Perguntamos o que quis dizer, e ela, indignada com nossa aparente falta de conhecimento, explicou: "temos uma obra inacabada, gente!"
_

Ontem à noite, minha mãe veio reclamar que quando comentou com seus colegas de trabalho que estava com dor nas costas porque o mp4 dela estava estragado, eles não entenderam a piada. Neurônios funcionando, olhar de expectativa da minha mãe, neurônios desistindo. "Hérnia de disco, filha. Eu tinha hérnia de disco, mas agora evoluiu e é mp4".

Ah.