Saturday, August 23, 2008

Só mais um dia

Estava eu passeando com a minha mãe pelo calçadão da Felipe Schmidt no centro de Florianópolis, olhando vitrines, quando de repente sou atropelada por uma quase-velha que vinha andando na diagonal pra cima de mim. A gente não só esbarrou, foi uma coisa muito mais complexa que isso. Por um momento nós ocupamos, sim, o mesmo lugar no espaço.

Eu: desculpa, senhora! (Detalhe, ELA tinha passado por cima de mim, mas eu sou educada.)
Ela: ô menina! olha por onde anda!
Eu: desculpa, eu não te vi.
Ela: faz favor né menina idiota! que absurdo, ô!
Eu: eu tô pedindo desculpa, sua grossa ¬¬ (Retomando o parêntese anterior, eu sou educada até certo ponto.)
Ela: olha por onde anda, menina burra! (Sim, altíssimo nível de xingamentos.)
Minha mãe, pra mulher: então não corta a frente das pessoas, ô anta! (Adoro minha mãe.)

Foi divertido.

Mais tarde, saindo do shopping, passamos por uma menina que usava uma touca de pele, muito grossa e à la Polo Norte, uma mini-blusa/quase top, e uma bota de cano alto, daquelas super quentes.

Eu: Olha mãe, a menina tá vestida de zonas climáticas da Terra. Posso ir assim numa festa à fantasia?


Sabe, só essas mesmas coisas de sempre.

2 comments:

Rita said...

Oi! Vim retribuir sua visita no meu blog (gostei das coisas que eu li por aqui!)

A propósito, eu não conhecia a versão de Sarah McLachlan para "Blackbird" e fui procurar... realmente é uma bela interpretação!

Um abraço!
Rita.

Fabiane Bastos said...

É! Na selva de pedra é assim...velinha come velhinha, (no sentido antropofágico da coisa gente). O House é que tá certo!