Thursday, June 26, 2008

Experiências edificantes no shopping

Sem ironia.

Estava na Saraiva com a minha tia, ganhando o Almanaque dos Seriados que eu tanto queria (e que desde que foi lançado eu lia o número de páginas que conseguia cada vez que ia lá até que algum funcionário da loja começasse a disfarçadamente passar ao meu lado várias vezes fazendo uma leve pressão psicológica para que eu parasse, mas até esse dia eu já tinha conseguido ler bastante; a Saraiva tem lugares estratégicos que os vendedores negligenciam um pouco, mas shhh), quando de repente vejo um rapaz caminhando pela loja com um contrabaixo. Fiquei estática. Aquele negócio maravilhoso é maior que eu (não que seja difícil, mas ainda assim). Depois juntaram-se a ele um homem com um violão e outro com um violino. Iam fazer um mini-show ali.

Eu chorei na passagem de som. Sério.

Enfim, depois dos 45 minutos que foram talvez um dos melhores momentos da minha vida, eles avisaram que fariam uma apresentação maior na noite seguinte.
Lógico que eu fui.
Arrastei minha mãe e minha tia comigo, falei com os três, fiz o violinista me dar a partitura escrita à mão por ele mesmo de uma das músicas, e sim, contei isso pra quase todo mundo. Ou pra tipo três pessoas, no caso, mas considerando meu círculo de amizades, três pessoas já é quase todo mundo pra mim.


Eles são quase desconhecidos. Egoisticamente, adoro que seja assim.
Ainda bem que eu estava lá, conheci, vi, ouvi, gravei, e continuo ouvindo.
E como a Versão bem falou hoje, ninguém pode tirar momentos de mim.
Esse definitivamente foi um desses aos quais eu vou me apegar e lembrar pra sempre.

2 comments:

Thami said...

Mereço um tótem.

bee said...

Dahóram!