Wednesday, December 05, 2007

...more words than I had ever heard and I feel so alive

As palavras me fascinam. O uso das palavras me deixa sem palavras. Péssimo trocadilho. A forma que as letras se unem para formar algo com significado me deixa maravilhada. Letras são... coisinhas. Risquinhos. E formam palavras. Palavras que dizem tanto. Ou dizem nada. Mas mesmo as que dizem nada, dizem.
As palavras são relutantes. E reservadas. Apesar de não parecer, já que elas aparecem o tempo todo. As palavras boas são sorrateiras. Não avisam quando vão chegar. São aquelas que atacam quando não se tem uma forma de anotá-las. As que acabam quase que invariavelmente no esquecimento, junto com tantas boas e más idéias. As palavras mais úteis são as menos pontuais. Elas nunca estão ali na hora marcada. São as que formam as frases de efeito póstumas: o assunto já morreu. E você deixou de dizer algo que mudaria o curso da história. Ou quase isso. Ou nada perto disso, mas hipérboles são legais. Voltando. Você deixou de dizer algo porque as palavras não estavam lá com você. Mas pelo menos estas não são medrosas, como as que estão com você o tempo todo, mas se recusam a sair, porque ficam preocupadas com o que as pessoas vão pensar. E ainda piores que as medrosas, são as impulsivas. São independentes, e incontroláveis. E quando você percebe elas já fugiram e fizeram todo o estrago que podiam. E lá de longe elas riem de você. Há ainda as palavras misteriosas. Divertem-se às custas de quem as lê ou ouve. Divertem quem as diz ou escreve. Elas gostam de metáforas. Gostam de frases pela metade. São más, na verdade. Mas parecem boas, se comparadas às palavras cruéis. Estas não fogem, não escapam. Elas são jogadas para fora em momentos de irritação. Elas machucam e sabem que vão machucar, mas não se importam. E deixam as outras palavras em situações constrangedoras. As palavras amigáveis, principalmente. Elas são sensíveis demais. E o mínimo de insegurança as afugenta.
Mas as palavras têm um problema: não sabem a hora de parar. Não sabem como parar. E isso deveria ser fácil. E pode ser. Pois uma palavra, que sabe ser tão assustadora, é simples assim: Fim.

1 comment:

Cot said...

São quase peças de lego, prontas pra fazerem rir, ou chorar.